web3little-boy-steam-earspathdoc-shutterstock

Meu filho fala palavrão, mas que $%¨&$#!

Quem nunca deu aquela topada no canto da estante e soltou aquele sonoro palavrão que atire a primeira pedra!

A função social do palavrão é dizer para o mundo que algo lhe incomodou profundamente, seja uma dor física ou uma dor sentimental, uma frustração ou uma mordida na língua na hora da refeição.
Mas e quando essa tal de função social extrapola o convencional e destrói o bom senso, principalmente em momentos de calmaria, e somos surpreendidos, ao assistir nosso programinha da noite, com um efusivo palavrão dito por ninguém menos que nosso filho de 8, 10, 12 anos, falando palavrão?
Aquele som que deixou de ser uma mera explosão sentimental para ser um incomodo som aos ouvidos mais sensíveis e passou a se repetir de maneira indefinida e sem qualquer critério de boa convivência familiar, servindo inclusive de mau exemplo aos irmãos mais novos?

Limite é a palavra de ordem, não só para palavrões, como para qualquer comportamento que agrida uma convivência familiar saudável.

A troca por palavras não agressivas, mas que sirvam de alguma forma para manifestar o incomodo do comunicante é uma possibilidade. A substituição de palavras ajuda os filhos a manifestarem seus incômodos e a compreenderem que deve ser cauteloso quando querem usar da expressão para aliviar a tensão acumulada.

Negociação é o mecanismo de prontidão que devemos lançar mão sempre, principalmente quando estamos tratando com adolescentes, ou para não dizer quando estão próximos aos irmãos mais novos ou criar outros artifícios de alívios das tensões.
E nos adultos, pais, maduros, exemplos de comportamento e pacificação, que quase não pronunciamos palavrão? Putz, cuidado e atenção redobrada, porque se tem alguém que nos observa diuturnamente são eles, os filhos.

Portanto, cuidado com a boca! E se eu falo dou liberdade para que eles repitam minha fala, aprendam comigo e não terei artifícios para negociar em tempo algum.
O faça o que eu disse mais não faça o que eu faço, lembram dele?! Pois é, morreu!!
A hora é de ser exemplo!!!

Compartilhe

Share on facebook
Share on pinterest
Share on print
Share on email