Bloqueios emocionais

Como castramos emocionalmente os nossos meninos?

Para iniciarmos o assunto cabe uma pergunta: O que a sociedade espera do homem?

O ideal de homem que temos é o atleta, empreendedor bem sucedido, rico, determinado e forte.

Viemos de uma educação que ser forte significa não demonstrar emoção, sofremos um processo de repressão emocional e a tendência é a repetição desse padrão.

De que forma repetimos esse padrão?

Geralmente quem foi obrigado a reprimir suas emoções na infância, através de frases dita pelos pais, tais como:

“Engole o choro”,         “Homem não chora”,          “menina bonita não chora”,          “não chora, os seus irmão (a mamãe/ os seus avós)vão ficar tristes se você chorar”,       “não chora, dá apoio para o fulano ou ciclano”.

Na vida adulta costuma ter dificuldade de ouvir choro de criança, geralmente fica nervosa/o, irritada/o sem saber o motivo do incômodo, porque existe uma “caixinha” onde estão armazenados todos os choros que fomos obrigado a engolir. Acontece que essa irritação gera uma reação de reprodução literal do conteúdo, então é a hora que mandamos o filho se calar e parar de chorar.

Esse ato tem repercussão para meninas, mas ele tem um peso maior para os meninos, justamente por conta dessa expectativa de que o homem tem que ser forte, assim como os super heróis, e este ser forte está implícito não poder chorar.

Castração Emocional

Dai paramos e pensamos…

Eu nunca pedi para os meus filhos “engolirem o choro”.

E então eu pergunto:

Seus filhos já te viram chorar? Já viram o pai deles chorar na frente deles?

Momentos tristes tenho certeza que todas as pessoas já passaram pelo menos algumas vezes na vida, e por que não foi expresso?

Quem não chora foi porque criou alguma crença negativa em torno desse tema.

Até agora abordei somente a questão do choro que geralmente expressa tristeza e frustrações. Mas existem outros sentimentos que temos e precisamos colocar para fora de maneira adaptada, afinal, quando sentirmos raiva do chefe, não podemos ir às vias de fato e agredi-lo fisicamente, e já sabemos que reprimir também não adianta muito, o que podemos fazer para gerenciar nossas emoções?

A primeira coisa já sabemos que é não reprimir, certo?

Agora, como dar vazão de forma assertiva envolve um longo processo de auto-controle e de educação. Portanto, quanto antes formos ensinando os nossos filhos, melhor!

A nova fase do Masculino tem visto o quão danoso é o homem agressivo, então, muitos têm procurado “domar sua fera interior”, quando se torna exitoso esse quesito, a agressividade se torna velada, oculta, e se expressa na frieza, na ausência, nos silêncios, devido às feridas e sentimentos encobertos que ele não sabe como lidar.

A proibição de experimentar seus próprios sentimentos tem feito a maioria dos homens se perderem dentro de si. Na tentativa de manter a imagem viril e esconder seus sentimentos e vulnerabilidades toda a sociedade paga o preço, porque não se trata de um homem, mas do todo masculino, numa reação em cadeia do pai que não desempenha a paternidade e não consegue desempenhar uma figura de proteção ao filho e ao filho que vai crescer e também não saberá ser pai.

 

Das dificuldades de relacionamento e dos conflitos conjugais ocasionados, às vezes, pelo analfabetismo emocional, levando a rupturas, separações.

Isso nos remete à urgência de ensinarmos nossos filhos, principalmente os meninos, a saberem gerenciar suas emoções.

Em que seja permitido ao menino sentir: Tristeza, luto, vergonha, culpa, inveja, saudade, amor, carência e ressentimento.

Sabemos que muitos homens preferem manterem-se incólumes, porque abrir-se às emoções não é tarefa fácil, afinal, acaba tornando necessário lidar com todo tipo de dor e experiências paradoxais.

A realidade nem sempre é fácil ser encarada, nem sempre é colorida, às vezes temos que lidar com sensações desagradáveis, com responsabilidades à mais, afinal, nem todo mundo está disposto a viver com profundidade porque para isso requer que tenha mergulhado antes de tudo, em si mesmo, nos sentimentos, seus amores, dores e dissabores.

 

Por um vida mais profunda, intensa, leve e com escolhas conscientes torna-se imperiosa a necessidade de desvendarmos os olhos, destamparmos a boca e destrancarmos o coração.❤??

Como deixar de castrar emocionalmente os nossos filhos?

 

Deixe seu e-mail e receba um Guia Prático: Como desenvolver Habilidades de Gerenciamento Emocional nos Filhos em 8 Passos.

Escrito por Família de Super Heróis

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Fechar Menu

Junte-se a nós

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade